domingo, 30 de agosto de 2015

Longe de Mim

Longe de mim a covardia
que me assedia
com a doce mentira
de que a prudência diz para não tentar

Longe de mim a tentação do conforto
que rouba as minhas forças,
que me faz ficar sentado
vendo a vida desfilar.

Longe de mim a alma conformada,
escorada em desculpas esfarrapadas,
que engole o engano insano
só para ter o que dizer.

Longe de mim a falsa paz
de quem se rende ao medo,
que negocia a consciência
e não se dá valor.

Longe de mim a dor
da vergonha de quem se entrega,
e com medo a si renega,
sem coragem de lutar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo teu comentário. Deus te abençoe!