sábado, 3 de outubro de 2015

Dona de Mim

Olhar de intenso brilho,
trilho que me leva ao paraíso.
Riso que ilumina o meu rosto.
Gosto do mosto, embriaguez de amor.
A flor que vi no sonho,
da cor do lírio, do delírio exposto
nos versos que componho,
nos quais me exponho,
pois deixei de ser senhor.

Súdito de uma alma rara.
Bem mais que carnal estética,
poética beleza do ser.
Me fez ser quem eu não era,
transformou meu triste fim,
me rendi,
me entreguei,
se tornou dona de mim.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Ausência

Sem você não vale a pena.
Pois, pena sinto de mim.
Cercado de olhos por todos os lados,
sem você, me sinto só.

O céu azul fica lá fora,
aqui dentro tudo é cinza,
sua ausência apaga o sol:
não vejo nada.